Se quiser, venha comigo. Vou lhe contar uma história. Vou lhe mostrar uma coisa...

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

...


            Tudo o que ela queria agora era ocupar a mente o máximo de tempo, tentar não pensar. Esperar nunca foi tão difícil, tão torturante. Ter tempo é o problema. O problema sempre foi o tempo: o tempo demais. Saía sem rumo quase todos os dias, inventando um desculpa para não ficar em casa. Caminhava pelas ruas sem encontrar um lugar para ficar. Tentou procurar emprego, mas foi o caminho todo chorando. Ninguém contrataria uma garota com o rosto todo borrado de rímel. Voltava do meio do caminho. De alguma forma, ficar em casa acabava se tornando o único refúgio. O pior eram os amontoados de lembranças que estavam naquele quarto, naquele sofá, naquele mural de fotos, naquele violão com uma corda a menos, naqueles dvds espalhados sobre o móvel... Parecia estar sendo torturada pela própria vida. Como chegou a esse ponto? Como se deixou levar tão longe? E nunca odiou tanto as palavras como naquele momento. Porque por mais que tentasse se concentrar em algo, aquelas malditas palavras pulavam em sua frente para estragar tudo e lhe conduzir novamente aquelas lembranças. Por que tinha que ter lido aquilo? Por que? PORQUE É A VERDADE! Custava aceitar. Tinha prometido não chorar mais. Quando se via, estava digitando por cima de um teclado molhado de lágrimas. No começo se achava completamente idiota, mas com o tempo foi percebendo que deu tudo o que poderia dar, tentou de todas as formas possíveis, se entregou de todas as formas. Não era hora de fraquejar agora! Ela iria ser forte, iria suportar o tempo, iria aguentar a dor que a sufocava a cada dia. Superaria as noites de insônia, as lágrimas que teimavam em sair o tempo todo, a falta de fome e de fazer qualquer coisa. Ela só queria ainda achar graça nas piadas que ouve. Queria poder ainda acreditar em alguma coisa. Sabe aquela sensação de que você vai "se ferrar" quando começa algo que sente que não vai ter controle? Pois é. Essa era a confirmação.

Essa é a parte da minha vida que chamo de decepção...




Nenhum comentário:

Postar um comentário