Se quiser, venha comigo. Vou lhe contar uma história. Vou lhe mostrar uma coisa...

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Silêncio... e uma garota tola

            Os olhos dela miravam o nada. A imensidão. O espaço vazio. Queria falar muitas coisas. Queria responder à ele o que lhe perguntava. Queria poder mostrar o quanto ela pôde sofrer e suportar calada por todo esse tempo. Queria ter um projetor e uma parede branca para convidá-lo para um cinema. Um cinema onde mostrasse toda a situação, todos os fatos, todas as cenas, para que ele pudesse ver o que ela não quer falar. Mas a garota não conseguia encontrar palavras para dar início as explicações. Afinal, quem tem que se explicar mesmo? Quem foi que errou mesmo? Talvez se a menina estudasse o dicionário inteiro, ainda assim não encontraria a palavra certa para o momento. Ela olha a parede branca, desejando ficar transparente para o mundo. Às vezes sente raiva do seu próprio silêncio, da própria dor. Raiva por ter sido fraca o suficiente para acender o fósforo que iria queimar seu próprio coração. Ela procura desesperadamente pela cura (um remédio, um fato, uma injeção de felicidade, de amor, quem sabe?) mas todas as formas de remediar não pareciam servir. Como se o coração dela tivesse se transformado em um buraco negro que está sugando o mundo e arrastando toda a dor possível para dentro do seu peito. Ela tentava sorrir, sim, sorrir! Tem horas que é necessário algo mais do que apenas chorar. E o sorriso lhe servia de cortina para camuflar as lágrimas escondidas. MAS QUE GAROTA TOLA! Pois somente garotas tolas escrevem sobre si mesmas na terceira pessoa do singular e usando verbos no passado, como se nada disso estivesse acontecendo com ela. 

Mas que tola SOU!

2 comentários:

  1. Eu gosto muito das coisas que você escreve, mas acho que tu se coloca muito para baixo, principalmente alguém que eu vejo sempre ligada a Deus, deverias ser mais alegre, tentar se encontrar, as vezes parece que tu tem depressão..
    Falo de coração, se cuida! :)

    ResponderExcluir
  2. Acho que só garotas surpreendentes falam na 3ª pessoa sem serem ridículas__você é uma garota surpreendente, jéssica.
    Acho que não precisa de dicionários, pois tudo que precisa está dentro de você.
    As coisas que podem nos destruir não são as coisas externas. Só o que vive dentro de nós pode nos destruir se assim permitirmos.

    Você tem as respostas. Um belo post.

    Te convido a ler o post 153 sobre Adélia.

    Super Beijo...eu estava com saudades daqui e de você.

    ResponderExcluir