Se quiser, venha comigo. Vou lhe contar uma história. Vou lhe mostrar uma coisa...

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Um domingo de jogo, rascunho de uma aula de matemática, cabeça nas nuves, coração enterrado :$

Ela estava lá fora e a noite começava a aparecer. Tinham muitos fogos, tudo era festa! No fim da rua algumas pessoas arrastavam pedaços de madeira e os colocavam no meio do fogo, e o fogo os consumiam aos poucos, como grandes cobras que engolem grandes animais com voracidade e segurança. No começo da rua saíam muitas pessoas de uma casa, como ratos felizes na madrugada em busca do queijo enquanto os donos da casa dormem: 1O, 12, 13, 18... ela não conseguia contar com exatidão. Enquanto lá dentro haviam pessoas  felizes, sorridentes, com todos motivos do mundo.
Ela buscava olhar para o céu, olhar as cores. Ele estava rosa e azul. Quem poderia estar lá com ela? Ao seu lado um único ser, que estava mais distraído com a festa dos ratos felizes do que com seu medíocre comentário: "Aquela estrela brilha bem mais que as outras e todas as noites está no mesmo lugar!". Não houve resposta alguma.
E mais uma noite, tudo ela tinha, nada possuía.
Como sempre foi.

2 comentários:

  1. amei a sua foto gatinha ... belo texto!
    Como já dizia Carlos Drummond: Existe tanta gente e tão pouco ser humano no mundo!
    beijos

    ResponderExcluir
  2. põe direitos autorais nisso "Aquela estrela brilha bem mais que as outras e todas as noites está no mesmo lugar!" pinguiiiiiiiiin... pq vão copiar muito *_*

    ResponderExcluir